domingo, 12 de agosto de 2018

A ARTE NO SÉCULO XIX: Parte 5

CASPAR DAVID FRIEDRICH - Luar sobre o mar - Óleo sobre tela - 55 x 71 - Cerca de 1822

As obras de Friedrich foram determinantes no
movimento do  Romantismo artístico alemão.

CASPAR DAVID FRIEDRICH - Caminhante sobre o mar de névoa
Óleo sobre tela - 94,8 x 74,8 - 1818

Durante o Iluminismo, ou A Idade da Razão, os pintores românticos alemães voltaram suas atenções para as emoções interiores em vez de observações fundamentadas. Eles olharam para épocas anteriores, incluindo a Idade Média, para exemplos de homens que viviam em harmonia com a natureza e entre si. Os nazarenos, um grupo de pintores fundados em Viena, em 1809, favoreceu a pintura medieval e do início da Renascença italiana, repudiando o popular estilo neoclássico preferido na época. Eles acabaram tendo uma influência significativa no ideal artístico da Alemanha daqueles tempos. Apesar de serem mais divulgados, os movimentos românticos da França e Inglaterra devem consideravelmente a esses precursores alemães. Um outro fato a destacar nos países de predominância anglicana e luterana, logo após as reformas protestantes, é que os artistas dessas nacionalidades buscaram naturalmente o emprego de novas temáticas aos seus trabalhos, que não fossem os tão comuns temas históricos, religiosos e mitológicos. Prova disso, é que nos países do centro e norte da Europa, era comum a prática de naturezas mortas, marinhas e posteriormente a paisagem, que muito colaborou com uma grande adesão de artistas românticos.

CASPAR DAVID FRIEDRICH - Rochedos no Elba
Óleo sobre tela - 94 x 74 - Entre 1822 e 1823

Fora do eixo França-Inglaterra, foi um alemão quem deu um grande impulso ao movimento romântico: Caspar David Friedrich. Nascido em 1774, foi um pintor, gravurista, desenhista e escultor. Ele é o mais puro representante da pintura romântica alemã. Friedrich nasceu em um período em que a sociedade da Europa estava se movendo de uma forte inclinação materialista para um sentimento de desilusão, onde novos impulsos espirituais começavam a se fazer sentir. Essa mudança encontrou expressão em uma reapreciação do mundo natural, visto com uma criação divina pura, em contraste com a superficialidade da civilização construída pelo homem.

CASPAR DAVID FRIEDRICH - Falésias em Rügen
Óleo sobre tela - 90,5 x 71 - Entre 1818 e 1819

CASPAR DAVID FRIEDRICH - O Wtazmann
Óleo sobre tela - 133 x 170 - Entre 1824 e 1825

Friedrich trabalhou predominantemente na pintura de paisagens e explorou a relação do homem com a terra. A pintura de paisagem tornou-se uma alegoria para a alma humana, bem como um símbolo de liberdade e ausência de limites que sutilmente criticava a restrição política da época. As paisagens simbólicas de Caspar David Friedrich e sua evocação do sublime tiveram influência duradoura entre os artistas modernos, do expressionista Edvard Munch aos surrealistas Max Ernst e René Magritte, aos últimos expressionistas abstratos Mark Rothko e Barnett Newman. A visualização inspiradora de Friedrich da paisagem alemã foi adotada pelos nazistas na década de 1930 para promover sua ideologia de sangue e solo, que defendia o racismo e um nacionalismo romantizado. Como resultado, a reputação de Friedrich levou muitos anos para se recuperar.

JOHANN FRIEDRICH OVERBECK - Itália e Alemanha - Óleo sobre tela

Overbeck foi um dos fundadores do Grupo dos Nazarenos.

Graças a Friedrich, os princípios do romantismo, enfatizando a primazia do indivíduo e, dentro desse indivíduo, o poder da imaginação e do sentimento subjetivo, tornaram-se a base de grande parte da cultura moderna. A ênfase do surrealismo na vida onírica e no subconsciente subjetivo, a ênfase do expressionismo na intensidade emocional e a ênfase contemporânea no artista como celebridade cultural, todas derivam do romantismo. O movimento tornou-se parte de como pensamos sobre o indivíduo, sua experiência individual e sua expressão na arte. O conceito do artista como um visionário em sintonia com a natureza mais profunda da realidade, que tem sido parte de qualquer número de movimentos de vanguarda, é essencialmente uma visão romântica.

FRANCESCO GOYA - O fuzilamento de 3 de maio de 1808
Óleo sobre tela - 266 x 345 - 1814 - Museu do Prado, Madri

FRANCESCO DE GOYA - Saturno
Óleo sobre painel montado em tela - Entre 1820 e 1823

O movimento romântico também chegou à Espanha, mais diretamente sob os pincéis de Francisco de Goya. No meio da Guerra Peninsular, travada por Napoleão e pela Guerra da Independência espanhola, os pintores românticos espanhóis começaram a explorar visões mais subjetivas de paisagens e retratos, valorizando o indivíduo. Francisco de Goya foi de longe o mais proeminente dos românticos espanhóis. Enquanto ele era o pintor oficial da corte real, nos anos finais do século XVIII, começou a explorar o imaginário, o irracional, e os horrores do comportamento humano e da guerra. Suas obras, incluindo a pintura O terceiro de maio de 1808 (1814) e a série de gravuras O desastre da Guerra (1812-15), permanecem como poderosas repreensões da guerra durante a era do Iluminismo. Cada vez mais retraído, Goya fez uma série de Pinturas Negras (1820-23) que explorou os terrores contidos nos recônditos mais íntimos da psique humana.

OREST KIPRENSKY - Um jovem jardineiro - Óleo sobre tela - 1817

IVAN KONSTANTINOVICH AIVAZOVSKY -  Luar no Bósforo
Óleo sobre tela - 24,5 x 30,5 - 1865

HANS GUDE - Paisagem da Noruega - Óleo sobre tela - 158 x 235 - 1858

Em outros lugares da Europa, os principais artistas adotaram estilos românticos: na Rússia havia os retratistas Orest Kiprensky e Vasily Tropinin, com Ivan Aivazovsky se especializando em pintura marinha, e na Noruega Hans Gude pintou cenas de fiordes. Na Itália, Francesco Hayez foi o principal artista do romantismo na Milão de meados do século XIX. Sua carreira longa, prolífica e extremamente bem sucedida viu-o começar como um pintor neoclássico, atravessar o período romântico e emergir no outro extremo como um pintor sentimental de mulheres jovens. Seu período romântico incluiu muitas peças históricas de tendências "Troubadour", mas em grande escala, que são fortemente influenciadas por Gian Battista Tiepolo e outros mestres italianos do barroco tardio. Muitas escolas, em todas as partes da Europa, deixaram se orientar pela influência do Romantismo. Destaque para a Escola de Dusseldorf, na Alemanha, cuja especialização era exatamente a paisagem. Movimentos como o Realismo e o Naturalismo foram somados à influência do Romantismo, por muitos artistas, em quase todas as partes.

FRANCESCO HAYEZ - O beijo - Óleo sobre tela - 1859

FRANCESCO HAYEZ - Betsabé ao banho - Óleo sobre tela - 1834

O romantismo literário teve sua contrapartida nas artes visuais americanas, mais especialmente na exaltação de uma paisagem americana indomável encontrada nas pinturas da Escola do Rio Hudson. Pintores como Thomas Cole, Albert Bierstadt e Frederic Edwin Church e outros, muitas vezes expressaram temas românticos em suas pinturas. Eles às vezes descreviam antigas ruínas do mundo antigo, ou apenas retratavam a beleza ainda intocada do solo americano. Essas obras refletiam os sentimentos góticos de morte e decadência. Eles também mostram o ideal romântico de que a natureza é poderosa e acabará por superar as criações transitórias dos homens. Mais frequentemente, eles trabalharam para se distinguir de seus colegas europeus, retratando cenas e paisagens exclusivamente americanas. Essa ideia de uma identidade americana no mundo da arte é refletida no poema de WC Bryant, para Thomas Cole. Quando Cole partiu para a Europa, Bryant o incentivou a lembrar das poderosas cenas que só podem ser encontradas na América.

THOMAS COLE - A Viagem da Vida, Juventude - Óleo sobre tela - 134 x 195 - 1842

ALBERT BIERSTADT - Uma tempestade nas Montanhas Rochosas, Mt Rosalie
Óleo sobre tela - 210,8 x 361,3 - 1866

ALBERT BIERSTADT - Paisagem das Montanhas Rochosas
Óleo sobre tela - 93 x 139,1 - 1870

Algumas pinturas americanas (como As Montanhas Rochosas, de Albert Bierstadt) promovem a ideia literária do "nobre selvagem" ao retratar os nativos americanos idealizados que viviam em harmonia com o mundo natural. As pinturas de Thomas Cole tendem à alegoria, explícitas na série A Viagem da Vida, pintada no início da década de 1840, mostrando as etapas da vida no meio de uma natureza impressionante e imensa. Frederic Church foi mais além, indo em busca de paisagens ainda mais exóticas na América do Sul e no Polo Ártico.

FREDERIC CHURCH - Niagara Falls - Óleo sobre tela - 101,6 x 229,9 - 1857

FREDERIC CHURCH - Vista do Cotopaxi - Óleo sobre tela - 62,2 x 92,7 - 1857


Na próxima matéria, veremos os últimos grandes defensores, propriamente ditos, dos movimentos neoclássicos e românticos. E também a influência deles em um dos movimentos mais espetaculares do século XIX, o Orientalismo.

VEJA TAMBÉM AS MATÉRIAS ANTERIORES:
. A arte no século XIX: Parte 1
. A arte no século XIX: Parte 2
. A arte no século XIX: Parte 3
. A arte no século XIX: Parte 4