sábado, 24 de janeiro de 2015

CAMINHAR... SEMPRE!

WILLIAM BOUGUEREAU - As laranjas (detalhe)
Óleo sobre tela - 117 x 90 - 1865

Já faz um bom tempo que caminhamos juntos por aqui. Através da arte, foi possível arranjar um motivo que nos unisse, nem que por pouco tempo. Às vezes, apenas por um breve período da leitura de uma matéria. E, através dela, nos comunicarmos. Dividir novidades, relembrar fatos e visualizar obras que nos fazem indagar coisas e encontrar respostas. Porque a arte faz isso, faz com que possamos compreender e conhecer melhor o mundo que nos cerca. Faz com que saibamos entender outros povos e suas culturas, seus desejos e suas expectativas, suas opiniões e suas histórias de vida. Sendo a arte a linguagem da vida, passamos a compreender melhor a humanidade. E isso nos faz caminhar melhor!

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - A passagem (detalhe)
Óleo sobre tela - 102 x 82,5

Esse texto é apenas para relembrarmos o motivo que nos faz encontrar por aqui de vez em quando. Às vezes, precisamos recobrar a consciência de nossa caminhada. Não basta apenas ir, como se houvesse um lugar especial a chegar. O lugar especial é o aqui e o agora. Em cada matéria, em cada imagem, em cada nova informação que nos acrescenta algo e também em cada informação recordada em nossas lembranças. Cada vez que publico algo, estou dando um passo. E levo alguém comigo! Todos os caminhos levam mais longe quando estamos em companhia.

RODOLFO AMOEDO - A narração de Filectas (detalhe)
Óleo sobre tela - 249 x 307 - 1887 - Museu Nacional de Belas Artes

Sei que pode parecer repetitivo, mas vamos entender um pouco mais porque nos encontramos por aqui. Toda vez que uma matéria é publicada, há a possibilidade de que uma linguagem comum se organize um pouco melhor dentro de nós, permitindo que possamos ver um pouco mais do mundo, pelas obras e visões que outros produziram. Mas, também não podemos esquecer que cada um traz consigo suas histórias, por isso, algo apresentado por aqui sempre terá interpretações variadas e despertará emoções diferenciadas. A experimentação da arte em sua verdadeira essência depende da fração intelectual com que recebemos uma informação e da fração emocional com que deixamos que essa informação nos modifique. É isso que faz com que cada um, mesmo não produzindo arte, seja um difusor e propagador da mesma, despertando emoções e levando novas informações a outros.

YINGZHAO LIU - Uvas e pote (detalhe)
Óleo sobre tela - 61 x 40,6

A cada passo, novas possibilidades e indagações. Somos testados e provocados continuamente e é isso que faz com que a caminhada pareça excitante. Apenas seguir, sem vislumbrar a paisagem, é o mesmo que passar pela vida sem ter vivido. A proposta principal aqui é essa: andar por novos caminhos, conhecer novas possibilidades e se permitir acrescentar algo com elas. Respeito que, pelas experiências culturais e sensibilidade de cada um, caminhos não sigam sempre tão em paralelo. Isso é liberdade! Haverá algo mais importante que ser e deixar ser livre?

Fico torcendo para que possamos nos encontrar ainda muitas vezes por aqui, e que saibamos aproveitar todas as oportunidades que forem surgindo, vislumbrando todas as belezas do caminho, sem nunca nos preocupar com o destino.

EVANDRO SCHIAVONE - Concerto para um (detalhe)
Óleo sobre tela - 120 x 180