quarta-feira, 29 de abril de 2015

UM TEMPO PARA PLEIN AIR



O outono ainda não deu as caras por aqui. As chuvas atrasadas de verão continuam espalhando um tapete verde pelos pastos e montanhas, para nossa felicidade. Estávamos todos precisando muito delas! A natureza e seus ritmos sábios... Para quem pinta em plein air, sabe como é grande o desafio de uma paisagem com coloração típica de verão. Muitos verdes e gamas de cores muito limitadas.
Mesmo assim, decidimos tirar o dia de hoje para uma sessão em plein air, ainda que a paisagem não tenha ficado com as cores da minha estação favorita. O outono sempre foi a minha estação predileta para pintar, mas vou ter que adiar o encontro com ele nesse ano. Não importa! Mais vale um dia garantido de aprendizado do que a espera incerta da oportunidade perfeita.


JOSÉ ROSÁRIO - Velhas gameleiras - Óleo sobre painel - 20 x 30 - 2015

José Ricardo veio de João Monlevade e saímos logo pela manhã. O tempo, logo no início, estava um pouco nublado, muito ocasionalmente o sol fazia presença.
Pintar em plein air não é apenas um exercício técnico de pintura. Há algo mais na prática de pintar ao ar livre. Ali, diante do cavalete, a pintura toma um outro universo. Os sons dos pássaros, a brisa com seus tantos aromas, o calor do sol... É como se você entrasse na obra! Somente praticando para sentir todos os seus benefícios.

Pintando em Brejaúba, com a supervisão de William Boaventura.


Com os amigos Wesley Carvalho, José Ricardo e William Boaventura.


Pela tarde, fomos até a localidade de Brejaúba, nas futuras instalações da Pousada do William Boaventura, que nos recebeu com pompas impagáveis. Mais uma rápida sessão com pequenos e simples apontamentos à beira de um dos lagos da propriedade. Tempo de uma boa conversa com os amigos, um cafezinho debaixo da mangueira e muitas laranjas ao final da tarde. Um dia feliz não precisa ser necessariamente raro!

Agradecimentos especiais a William Boaventura, pela cordialidade de sempre.