sábado, 27 de agosto de 2016

EUGÈNE GIRARDET

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O caminho diário - Óleo sobre tela

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O retorno da tropa - Óleo sobre tela - 53,5 x 82

Toda a família de Eugène Girardet estava, em algum grau, envolvida com uma expressão artística qualquer. Facilitou muito para sua opção artística, que todos os seus tios, primos e cunhados estivessem envolvidos com gravura, litografia ou pintura. O que tornou mais do que natural que, logo bem cedo, ele também já estivesse com um pincel preso às mãos produzindo seus próprios trabalhos. Não só começou a produzir cedo, como também já comercializava suas obras quando ainda tinha dezessete anos. Mas, foram as aulas formais, na Escola de Belas Artes, sob a orientação com ninguém menos que Jean-Léon Gérôme, que deram um novo rumo à sua carreira que apenas começava.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O vendedor de frutas
Óleo sobre tela - 55 x 38

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O vendedor de frutas (detalhe)

Eugène-Alexis Girardet nasceu em Paris, a 31 de maio de 1853. Felizardo, já nasceu numa Paris de plena transformação. As várias obras iniciadas pelo prefeito Haussmann, um ano antes de seu nascimento, já deixavam a cidade com um aspecto bem mais agradável. No lugar das estreitas e úmidas vias, surgiam largas avenidas e belos boulevards. A mudança do ambiente físico da cidade também inspirava uma procura por novas manifestações artísticas. Entre os vários movimentos que agitavam Paris, a procura pela temática oriental seduzia ainda uma grande parte dos colecionadores aficionados pelo exótico. Esse mesmo interesse foi despertado em Giradet, mais tarde, em seus estudos com Gérôme. Assim, em 1874, ele já realizava sua primeira expedição à procura de temas inovadores. Decisão que mudaria para sempre sua vida.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - A visita do Sheik
Óleo sobre tela

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - A passagem - Óleo sobre tela - 102 x 82,5

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - No mercado
Óleo sobre tela

Em sua passagem pela Espanha e por Marrocos, ao norte da África, logo naquele ano de 1874, as paisagens já lhe inspiravam novas composições. Os costumes das novas culturas que visitava também lhe atraíam cada vez mais, mesmo que as suas primeiras obras ainda mantivessem uma certa reserva quanto ao inusitado, presas aos ensinamentos acadêmicos e às lições absorvidas em Paris. Fato que foi logo resolvido, quando a adição de vermelhos terrosos brilhantes, e azuis e verdes intensos das indumentárias que via, trataram logo de mudar radicalmente sua paleta. Sua obra ganha, à partir daí, um caráter realista totalmente em consonância com a vida humilde e severa das populações que visitava. Não é exagero afirmar que Girardet se deixou enfeitiçar pelas cores e texturas das roupas norte africanas, e isso mudaria totalmente sua carreira.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - A caravana
Óleo sobre tela - 60 x 81

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Quintal - Óleo sobre tela

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Deixando o mercado
Óleo sobre tela - 68 x 109,1

Ainda mais marcante, seriam as suas novas expedições ao norte da África, que faria no final da década de 1870 e início de 1880. Uma passagem pela Argélia e Tunísia, em meados da década, deixaria o artista um pouco frustrado, pois imaginava uma região bucólica, com cenas romantizadas por personagens e palmeiras descansando ao sol. Mas, já encontrou uma região com grandes mudanças modernistas para sua época. Para encontrar aquilo que habitava seu imaginário, ele desceu mais além no continente, até as margens ao sul do Saara, em Al Kantarra e Bou-Saada. Foi o encontro com Etienne Dinet, um outro artista francês já radicado por ali, que o levou ao encontro da África que tanto idealizava.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Atravessando o rio
Óleo sobre tela

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Beduínos no deserto - Óleo sobre tela

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET
Nas terras altas, após a tempestade
Óleo sobre tela - 100 x 145 - 1903

Etienne Dinet é uma figura-chave na pintura orientalista francesa. Ele explorou uma região que não era muito atraente para as grandes caravanas que saíam da Europa e também converteu ao Islamismo, depois de muitos anos convivendo com comunidades mulçumanas da Argélia. Seu trabalho é acima de tudo sincero, e isso marcou demais na influência que teve sobre Girardet. A partir do encontro com Dinet, Girardet passa a capturar suas imagens com ainda mais precisão, enfatizando o que realmente via e não o que idealizava pelas referências acadêmicas de escola. Pode-se dizer que ele passou a produzir num estilo naturalista solto, sem amarras.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET
Camelos em um oásis ao alvorecer
Óleo sobre tela - 30,8 x 44,8 - 1879

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Caravana árabe atravessando o riacho
Óleo sobre tela - 50,8 x 100,3

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Labor no Marrocos
Óleo sobre tela - 39 x 70

Num retorno a Paris, em 1877, Girardet e mais outros treze artistas acabam por criar a Sociedade dos Pintores Orientalistas Franceses, que incluía membros como o Próprio Dinet, Paul Leroy e Arthur Chassériau. Membros como Jean-Léon Gérôme e Benjamin-Constant foram incluídos como presidentes honorários. Foi na sede da sociedade que Girardet faria suas principais exposições, divulgando tudo aquilo que produzia pelas idas à África. Entre 1878 e 1880, também mostrou seus trabalhos no famoso Salão de Paris. Em 1890, ele se associou à Sociedade Nacional de Belas Artes, um grupo dissidente que mostrava seus trabalhos, paralelo ao salão.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O acampamento
Óleo sobre tela

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O acampamento - Óleo sobre tela - 50,8 x 91,4

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Rua de El Kanthara, Argélia
Óleo sobre tela

Os trabalhos de Girardet também começavam a ser apreciados por colecionadores de diversos outros países. Ele mostrou suas obras em Londres, Genebra, Munique e Berlim e também participou da Exposição Colonial, realizada em Marselha, em 1906. Embora temas ainda mais exóticos, como os da Polinésia Francesa e cenas do Camboja, atraíam a atenção dos colecionadores, Girardet continuava fiel às suas propostas, viajando para as regiões do norte da África e Oriente Médio, nos anos finais do século XIX.

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Emendando
Óleo sobre tela - 46,3 x 55,2 - 1896

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Oradores do deserto - Óleo sobre tela - 67 X 108

EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - O almeh
Óleo sobre tela - 66 x 92,2

Em 1898, ele viajou para o Egito e atingiu até a Palestina, locais onde fez numerosas cenas do Cairo e de Jerusalém. Pode-se dizer que os trabalhos dessa época tiveram uma mudança significativa no estilo, tendo uma forte influência dos Impressionistas. As pinceladas tornaram mais soltas e há uma preocupação natural com os fortes efeitos de luz. Um de seus trabalhos mais charmosos dessa época, não é, no entanto, uma cena orientalista, mas uma cena que produziu pintando em um prado francês, alguns anos antes. Ele se retrata na companhia de uma jovem artista, provavelmente mais uma artista da família.
O artista faleceu no dia 31 de outubro de 1907.


EUGÈNE-ALEXIS GIRARDET - Souvenir de l'ete - Óleo sobre tela - 26,5 x 41,5 - 1894

2 comentários:

  1. Não conhecia os trabalhos deste grande mestre...grandioso!
    Paralisante!
    Valeu, meu amigo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tesouros escondidos...
      Valeu, Vidal.
      Grande abraço!

      Excluir