domingo, 10 de junho de 2018

HENRY WOODS


HENRY WOODS - Aos pés da Rialto - Óleo sobre tela

HENRY WOODS - Igreja dos frades, Veneza - Óleo sobre tela

Henry Woods foi um dos mais consagrados pintores da dita safra neo-veneziana. Nascido na cidade inglesa de Lancashire, a 22 de abril de 1846, visitou a cidade de Veneza pela primeira vez em 1876. Ficou tão encantado com tudo que viu por lá, que ali passou o resto de sua vida, visitando a Inglaterra ocasionalmente em algumas viagens. Na história da arte isso parece um fato muito comum. Nomes consagrados como Picasso, que nasceu na Espanha, mas viveu e trabalhou a maior parte de sua vida na França, El Greco, que da Grécia só herdou o nome, mas que passou toda sua vida na Espanha e muitos europeus que se refugiaram nos Estados Unidos, quando no auge na segunda grande guerra. Henry Woods se ambientou tão bem, que muitas biografias suas o citam como um pintor veneziano. E assim o foi realmente.

HENRY WOODS - Carregadora de água em Savassa, Itália
Óleo sobre tela

HENRY WOODS - Rivais, Veneza - Óleo sobre tela

HENRY WOODS
Preparativos da primeira comunhão
Óleo sobre tela

Seu pai, William, era penhorista e por algum tempo conselheiro municipal; sua mãe, Fanny, uma dona de loja. Ele era o mais velho de nove irmãos. Woods estudou inicialmente em Warrington. Uma medalha de bronze, do Departamento de Ciência e Arte, acabou por lhe conceder uma bolsa para estudar na South Kensington School of Art, mudando-se para Londres em 1865 com seu colega de arte Luke Fildes. Os dois se tornaram o melhor amigo um do outro e confidente artístico para a vida. Em 1869, tanto Woods e Fildes se tornaram ilustradores para o jornal The Graphic, e o fizeram associando com os artistas John Everett Millais, Hubert von Herkomer e Frank Holl. No mesmo ano, Woods começou a expor na Royal Academy e continuou a fazê-lo até a sua morte. Já possuía um estilo bem definido, influenciado por Carl van Haanen e Eugen de Blaas.

HENRY WOODS - Cena de Veneza - Óleo sobre tela

HENRY WOODS - Rua em Veneza - Óleo sobre painel

HENRY WOODS - Num canal em Veneza - Óleo sobre tela

Em 1871, Woods e Luke Fildes estavam hospedados juntos em Finsbury, Londres, e mais tarde em 22 King Henry's Road, em Haverstock Hill, onde cada um tinha um estúdio. Ambos faziam parte de um círculo de desenho de paisagem ao ar livre que incluía Marcus Stone e Charles Edward Perugini. Saíam sempre para desenhar e esboçar nos arredores de Londres, de preferência nos verões e primaveras. Em 1874 Woods tornou-se cunhado de Fildes, casando-se com sua irmã, Fanny, também artista.

HENRY WOODS - La Tombola - Óleo sobre tela - 91 x 71

HENRY WOODS - Uma cena de canal veneziano - Óleo sobre painel - 47 x 73 - 1886

HENRY WOODS - San Trovaso, Veneza - Óleo sobre tela

Com a chegada de Woods em Veneza, em 1876, ele tornou-se amigo da colônia de artistas de Ludwig Passini, August Von Pettenkofen, van Haanen, Eugen de Blaas, Wolkoff, Ruben e Thoren. Ele conheceu Whistler em 1879-80, apresentando-o a Roussoff e fez amizade com John Singer Sargent. No verão de 1880, ele visitou a Inglaterra e assumiu uma comissão nos Rifles dos Artistas - ele havia sido voluntário por alguns anos - praticando manobras em Wimbledon Common e postando guarda em banquetes da Royal Academy.

HENRY WOODS - No cais - Óleo sobre tela

HENRY WOODS - Idílio pastoral - Óleo sobre tela

HENRY WOODS - Feitiço do cupido - Óleo sobre tela

Além de van Haanen e de Blaas, outras influências na obra de Woods incluem William Logsdail, que trabalhou em Veneza a partir dos anos 1880 e Frank Bramley, que fundou a Escola Newlyn. Durante a década de 1880, houve grande entusiasmo dos colecionadores britânicos por quadros de Veneza. Isso pode ser parcialmente devido à influência de "Stones of Venice", de John Ruskin, um tratado sobre arte e arquitetura venezianas, publicado em 1851-3. Woods continuou a exibir regularmente cenas do gênero veneziano na Royal Academy até o final de sua vida.

HENRY WOODS - Contemplando as artes clássicas - Óleo sobre tela

HENRY WOODS - Uma festa cristã em Veneza - Óleo sobre tela

HENRY WOODS - O vendedor de água veneziano - Óleo sobre tela

Foram suas pinturas de Veneza, em 1881, Ao pé do Rialto e Namoro de gondoleiros que ajudaram sua afiliação à Real Academia em 1882. Em 1893, tornou-se membro de pleno direito, ao lado de Henry Moore e John MacWhirter. Antes de 1882, ele tinha um estúdio na Casa Raffaelli, após o qual ele levou um estúdio maior com vista para o Grande Canal, perto da igreja de San Maurizio, enquanto trabalhava na vila de Serra Valle durante o calor do verão veneziano. Um dos visitantes de seu estúdio foi o Imperador Frederico, que discutiu favoravelmente suas pinturas de Serra Valle. Durante 1890-92, Woods escreveu cartas de Veneza para publicação no The Daily Graphic. Não se contentava apenas em retratar a cidade. Todo o sentimento e emoção que recebia daquele lugar deveria ser divulgado de todas as maneiras por ele.

HENRY WOODS - Um estúdio no interior - Óleo sobre tela

Em 1889, um trabalho submetido à Exposição Universal de Paris ganhou uma medalha de bronze. Woods também foi membro do The Arts Club e membro honorário da Accademia di Bella Arte. Além de dois anos e meio antes de 1919, e visitas ocasionais à Inglaterra para expor na Royal Academy, Woods permaneceu em Veneza até o fim de sua vida, ultimamente no Hotel Calcina, perto do Zattere. Em 27 de outubro de 1921, pela manhã, Woods estava pintando no Palácio Ducal e retornou de gôndola para a Calcina para o almoço. O gondoleiro voltou mais tarde e encontrou Woods morto ao lado de seu cavalete. Um serviço memorial foi realizado em San Vio, a Igreja Inglesa, após a qual ele foi enterrado no cemitério Protestante.

HENRY WOODS - Vendedoras de frutas - Óleo sobre tela

As obras de Henry Woods encontram-se em coleções particulares e públicas, incluindo as da Galeria de Arte de Nova Gales do Sul, Sydney; a Coleção de Arte do Governo, Londres; Biblioteca Pública de Nova York; a Academia Real de Arte; Tate Britain; e Tyne and Wear. Também estão em museus em Newcastle e no Walker Art Gallery, em Liverpool. Ocasionalmente, algumas obras de coleções particulares visitam as mais respeitadas casas de leilões da Europa e são alvos de acirrada disputa.


4 comentários:

  1. Fiquei impressionado com as cenas... grandioso!
    Amigão, sucessos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um excelente artista, amigo.
      Grande abraço!

      Excluir
  2. a arte é realmente de inspiração divina, senão como se explica esse talento ..como sempre, esse blog é um aprendizado..sucesso sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grato pela vinda e por participar mais uma vez, Touché.
      Grande abraço!

      Excluir