sexta-feira, 10 de outubro de 2014

FAMÍLIA CARUSO

A história da arte tem nos mostrado que a produção artística é uma característica muito comum a membros de uma mesma família. Irmãos, pais e filhos, tios e avôs... Seja qual for o parentesco, sempre houve uma grande tradição que o fazer artístico fosse um gosto e uma característica peculiar de muitas famílias.
Em recente visita a um site brasileiro, encontrei o histórico de uma família que teve seu momento de apogeu nas décadas do século passado: a Família Caruso. É muito importante que saibamos valorizar nossas histórias para podermos formar uma consciência plena de nossa situação.
O relato que se segue é o texto de abertura do site criado por um dos descendentes da família e que traz um resumo de como os Caruso chegaram até esse país.


UMA FAMÍLIA DE ARTISTAS
Durante décadas e décadas, a partir de 1910 e até os anos finais do século 20, uma família de artistas paulistas encantou seus contemporâneos brasileiros, e muitos estrangeiros, com a beleza da sua pintura, as cores e a espontaneidade dos desenhos dos seus quadros e a sensibilidade que tão bem souberam expressar no manejo das tintas e dos pincéis.
Artistas, na mais plena acepção da palavra, voltados exclusivamente para o seu trabalho estético, despreocupados em cortejar a crítica, incensar a mídia ou buscar guarida nos partidos e agremiações de esquerda, têm sido sistematicamente ignorados, o que certamente explica por que, neste início do século 21, sejam praticamente desconhecidos das novas gerações. Chegou a hora de corrigir essa injustiça e recolocar os CARUSO no lugar que merecem. É esse o objetivo deste trabalho.
A história artística da família CARUSO começa efetivamente na segunda metade do século XIX, numa pequena cidade do Sul da Itália.
Paola, na Calábria, no ano de 1847, foi o berço de Vincenzo Caruso, um homem simples, pobre, analfabeto, mas dotado de grande sensibilidade, como teremos oportunidade de verificar.
Em companhia da mulher Ana Maria Provenzano, calabresa e residente em Paola como ele, Vincenzo resolveu emigrar para o Brasil, em 1879 ou 1880, atraído pelos relatos otimistas de outros calabreses, que tinham cruzado o Atlântico em busca de uma vida mais digna e menos sofrida. Sem recursos, os dois se sujeitaram a uma sofrida viagem em navios de imigrantes. Quando chegaram ao Brasil, foram morar na cidade paulista de Campinas, onde Vincenzo foi trabalhar como operário braçal na Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Seu trabalho consistia em bater com uma marreta nas rodas dos trens para verificar se estavam em condições de trafegar.
Em Campinas, a família começou a se formar com o nascimento de diversos filhos.

Um relato detalhado de cada membro da família você poderá encontrar no link que se seque:


Abaixo, algumas imagens de trabalhos produzidos por membros da família Caruso.

SALVADOR CARUSO - Natureza-morta - Óleo sobre tela

TEREZA ANDREOLI CARUSO - Marinha - Óleo sobre madeira

FLORÊNCIO CARUSO - Natureza-morta - Óleo sobre tela - 1939

JOSÉ CARUSO - Pátio - Aquarela sobre papel

 
Esquerda: VICENTE CARUSO - Nu - Óleo sobre tela - 1950
Direita: VICENTE CARUSO - Nu azul - Ilustração para a GOODYEAR
Abaixo: VICENTE CARUSO - Moça com café - Ilustração para folhinha


Nenhum comentário:

Postar um comentário