sexta-feira, 5 de outubro de 2012

ARI VICENTINI

ARI VICENTINI - Aurora - Acrílica sobre tela - 100 x 100

ARI VICENTINI - Noite - Acrílica sobre tela - 100 x 100

O ecletismo é uma virtude que permeia a vida de muitos artistas e que já esteve presente na vida de tantos outros mestres que cunharam a história da arte até aqui. Que não me deixem mentir Picasso, Klint, Michelangelo e Dali (gênios incontestáveis), que souberam usar das mais diversas linguagens para colocar em prática aquilo que seus desejos ordenavam. É essa a característica mais marcante na arte de Ari Vicentini, esse paranaense que nasceu em Maringá, em 1967, e que ainda cedo se transferiu para Curitiba. Fez muito bem o ar dessa cidade que está a quase mil metros do nível do mar, trouxe poesia e audácia para quem deseja estar nas alturas.


ARI VICENTINI - Sem título - Acrílica sobre tela - 120 x 120

ARI VICENTINI - Sem título - Óleo sobre tela - 100 x 150

A convivência com uma inspiração de todas as escalas, que é marca dessa cidade-modelo, tornou-se uma referência inevitável aos trabalhos de Vicentini. Na sua variada produção há coragem, audácia, determinação e um desejo constante de não se prender a velhas fórmulas. Definitivamente é um artista que está no endereço certo.


ARI VICENTINI - Itapoã
Acrílica sobre tela - 105 x 75

ARI VICENTINI - Pedras e Espumas no Entardecer
Acrílica sobre tela -  105 x 75

Deixo abaixo um pouco da fala do próprio artista:
Minha formação é de autodidata. Aprendi através de livros e copiando grandes mestres da pintura, como Rubens, Hals, Bouguereau, entre outros. Possuo atelier próprio desde 1989, onde pinto, ministro aulas de desenho e pintura, além de trabalhar também como ilustrador e caricaturista. Participo de salões de arte desde 1983. Em 1985 ganhei meu primeiro prêmio. Desde então tenho participado de mais de 60 exposições, dentre elas, cerca de 11 individuais. A grande maioria destas exposições foi realizada em Curitiba, poucas fora do estado, dentre elas a SABBART deste ano, na qual entrei com um autorretrato. Atualmente estou cursando filosofia, faltando cerca de um ano para completar o curso”.


ARI VICENTINI - Retrato de Vanessa em Fogo e Gelo
Óleo sobre tela - Acervo particular

ARI VICENTINI - Retrato Mistico de Amanda
Óleo sobre tela -  105 x 75

Ilustração e caricatura fazem parte do lado mais comercial de minhas atividades. Assim, tendo um trabalho mais comercial à parte do artístico, reservo à pintura o lado exclusivamente artístico do que faço. Isto me dá liberdade para arriscar e experimentar à vontade, desenvolvendo pesquisas formais que ampliam as possibilidades de criação. Sempre percebi o quanto a preocupação excessiva com o lado comercial faz com que artistas talentosos “construam” uma linguagem que satisfaça antes comercialmente do que artisticamente, muitas vezes prejudicando seu desenvolvimento como artista. Encaro a pintura como um “espaço” de liberdade absoluta, por isso nunca senti necessidade de me ater a apenas uma temática, a um único estilo, às mesmas cores, ao mesmo ritmo de pinceladas. É claro que esta opção oferece um risco, que é o de se cair em um experimentalismo vazio e quantitativo, num trabalho sem personalidade e sem a profundidade que a perseverança num só estilo aparentemente pode oferecer. Aparentemente, sim, já que esta fixação somente num estilo e a procura por “uma” linguagem pessoal corre, por outro lado, o risco de ser apenas a expressão de uma comodidade criativa e preocupação excessiva com valores comerciais”.


ARI VICENTINI - Elvis
Óleo sobre tela 30 x 40

ARI VICENTINI - Juliana - Óleo sobre tela -  60 x 60

Como resultado deste modo de encarar a produção artística,  a linguagem de meu trabalho varia. Na pintura abstrata, desde uma geometrização total até a ausência total de formas definidas. Na pintura de paisagem, desde um realismo quase hiper-realista até um estilo mais impressionista. Do retrato realista até uma mistura inusitada de figuras humanas interpenetradas com formas puramente abstratas. Ou ainda pinturas figurativas num estilo mais contemporâneo, onde há uma espécie de “subversão” de características tradicionais ou acadêmicas”.


ARI VICENTINI - Limiar urbano - Óleo sobre tela -  105 x 225

ARI VICENTINI - MOB - Óleo sobre tela -  75 x 315


Assim como Curitiba, uma cidade com uma dualidade latente, que não nega as origens de cidade de interior e ao mesmo tempo se lança como modelo de uma melhor possibilidade futura, os trabalhos de Vicentini também seguem em dupla via: uma que fala de um artista que não nega raízes e respeita métodos e técnicas, e outra que fala de um artista no sentindo mais ideal da palavra, que está sempre aberto a novas possibilidades para criação.


ARI VICENTINI - Autorretrato
Acrílica sobre tela - 30 x 40

PARA SABER MAIS:

12 comentários:

  1. As obras do Ari Vicentini são uma referência, e como você disse com um grande ecletismo e estilo próprio em suas técnicas. Este é meu primeiro ano de pintura, e tive uma obra selecionada no XXI SABBART, e para mim é uma enorme conquista e fico honrado em saber que estou participando do concurso com grandes artistas. E conhecer um pouco mais sobre eles através de um mestre como o José me deixa muito contente! Seu blog é um campo de estudo das Artes.

    Marcos Aráujo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Marcos. Um salão é sempre uma porta mais que bem vinda para se começar uma caminhada com segurança. Parabéns pela seleção. Grande abraço!

      Excluir
  2. Parabéns pela matéria excelente Zé. O Ari Vicentini é um dos melhores artistas plásticos de Curitiba. Eu fico sempre muito impressionado com a habilidade e versatilidade dele. São poucos os pintores que conseguem trabalhar com excelência figurativo, paisagem e abstração. Além de desenvolver com notável competência hiperrelismo, impressionismo e estilo contemporâneo. Eu sou suspeito pois sou fã dos trabalhos dele. Inclusive algumas das obras da sua matéria estão na minha coleção particular ("Pedras e Espumas ao Entardecer", "Retrato de Vanessa em Fogo e Gelo" e "Retrato Místico de Amanda"). Novamente parabéns pela materia excepcional e mais que merecida.

    At, William

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você e sua coleção de preciosidades, Willian. Você tem um vizinho de muito talento. Obrigado por mais uma visita e grande abraço!

      Excluir
  3. Ari Vicentini tem um estilo "grandioso", suas obras tem um charme especial, o desenho, as cores... que bela matéria! Felicidades e bom fim de semana...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vidal. Tenha também um ótimo final de semana, amigo!

      Excluir
  4. Pois é Zé. Eu tive sorte pois consegui comprar algumas obras excelentes do Vicentini. E falando em preciosidades, como estão ficando cada dia melhores essas suas matéria. Você definitivamente é um artista especial, pinta excepcionalmente bem e ainda consegue arranjar tempo para educar os leitores do blog sobre os trabalhos de tantos artistas talentosos mundo afora. Aliás, não sei se contei para você como conheci o seu trabalho e o trabalho do Ari Vicentini. Conheci o trabalho de ambos numa galeria de arte aqui de Curitiba, isso há 12 ou 13 anos. Foi nessa galeria, hoje fechada, que compramos os nossos 2 primeiros quadros do José Rosário (2 telas de 1998) lá por 1999/2000. Num dia, passando por essa mesma galeria, vi 2 telas fantásticas. Eram 2 marinhas de grande dimensão pintadas num estilo hiperrealista. Me lembro que tive de me aproximar das telas para comprovar que não eram fotografias, mas sim 2 óleos sobre tela. Era algo realmente muito bem feito. Bom acabei não comprando aqueles quadros naquela época, e depois de um tempo a galeria acabou fechando. Depois de muitos anos, vi aqui em Curitiba alguns quadros de um pintor muito habilidoso. Um dos quadros era um retrato "caricaturizado" do Salvador Dali tendo ao fundo uma releitura da obra "Persistência da Memória". Quando vi a tela eu imediatamente percebi que o pintor tinha talento. Bom, peguei um cartão do artista e mais tarde resolvi visitar o website dele! Para minha surpresa, as 2 marinhas que eu havia visto anos atrás estavam lá. Era o mesmo pintor! Como dizem coincidências não existem...
    O Vicentini é provavelmente o último dos pintores universalistas do Paraná(Depois do falecimento em 2008 do grande pintor argentino, mas de coração curitibano, Raul Taurant Delavy)! Daqueles que pintam tudo em qualquer estilo com igual competência. Fico muito satisfeito em ter um artista desse nível em Curitiba. Um artista que ajuda a colocar o Paraná no mapa nacional das artes plásticas. Novamente parabéns pela matéria.

    Grande Abraço, William

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. William, seus comentários enriquecem bastante todas as minhas matérias. É que você já é responsável por um pouco das histórias delas.
      Mais uma vez, obrigado pela vinda e tenha ótimo final de semana!

      Excluir
    2. Legal o fato de eu e o José termos expostos nossos trabalhos na mesma galeria a tanto tempo.

      William, obrigado pelo seu depoimento.

      Um abraço ao William e ao José!

      Excluir