sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

GUILLERMO MUÑOZ VERA

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Água doce da grande savana II
Óleo sobre linho colado em madeira - 150 x 200 - 2009

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Os Andes em março
Óleo sobre linho colado em madeira - 200 x 150 - 2004

Todas as grandes e famosas casas de leilões do mundo já descobriram um filão interessante dentro do mercado de arte contemporânea: o da Arte Hiper-realista. Muito procurada principalmente nas décadas de 1970 e 1980, a Arte Hiper-realista ficou sumida por uns tempos, com o advento cada vez mais crescente da arte abstrata. Mas, a excelência artística praticada pelos principais artistas desse movimento jamais deixou que ele morresse completamente. Guillermo Muñoz Vera pratica um realismo refinado, que encanta colecionadores em todo o mundo e já despertou o interesse por casas comerciais não menos importantes do que Christies e Sothebys.

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Caixas de cigarro - Óleo sobre linho - 95 x 129 - 1988

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Composição com coca-colas
Óleo sobre linho colado em madeira - 110 x 110 - 1989

Nascido no dia 28 de abril de 1956, na cidade de Concepción, no Chile, Muñoz Vera é aclamado internacionalmente como um dos grandes artistas realistas da atualidade, título que vem se consolidando  pelas diversas exposições individuais que ele realiza em toda a Europa e Estados Unidos. Ele se formou pela Universidade do Chile, em Santiago, onde entrou em 1973. Também foi professor pela Faculdade de Belas Artes, tendo sido nomeado Professor Assistente da Cadeira de Desenho. Incansável, continuou seus estudos e também se aperfeiçoou nas áreas de fotografia, física da cor, física óptica, oftalmologia, psicologia da visão, imagem digital e técnicas de pintura.

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Um dia de domingo qualquer II
Óleo sobre linho colado em madeira - 122 x 180 - 2009

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Entardecer na Antiga Havana
Óleo sobre linho colado em madeira - 122 x 180 - 2007

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Valencia en fallas II
Óleo sobre linho colado em madeira - 122 x 180 - 2005

A influência do realismo espanhol é ponto fundamental na obra de Muñoz Vera, e remonta de tempos distantes, quando Diego Velázquez, ainda no século XVII, desvendava os segredos nas variações delicadas de luz e sombra, concebendo retratos e naturezas-mortas que encantam até hoje. Não é de se estranhar que Velázquez seja um dos artistas mais influentes da arte daquele país. Atraído pela arte barroca desse mestre espanhol, Muñoz Vera mudou-se para Madri em 1979, e é lá, que trabalha e vive até hoje. Sua cidadania espanhola foi conseguida em 1985.

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Mazorcas de maíz
Óleo sobre linho colado em madeira - 66 x 96 - 1997

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Romãs II - Óleo sobre linho colado em madeira - 70 x 100 - 2009

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Composição com peras
Óleo sobre linho colado em madeira - 84 x 122 - 2009

Uma das características mais nobres da arte de Muñoz Vera é não deixar que sua habilidade e proeza técnicas desvirtuem a concepção inicial de seus estudos. Por isso, sua arte beira ao Hiper-realismo, mas conserva uma essência que nos diferencia desse estilo em diversos graus. Seus retratos se preocupam com a sutileza pessoal de cada retratado e seus arranjos têm um equilíbrio e atmosferas tão convincentes, que nos sentimos presentes neles. O mesmo refinamento e cuidado é dado para as composições externas de paisagens e cenas urbanas.


Obras gigantescas decoram o Metrô em Santiago.


Visando integrar o cidadão comum e a arte, foi desenvolvido, em 1992, o projeto MetroArte, um dos mais audaciosos projetos de divulgação da arte, no Metrô da cidade de Santiago, no Chile. A exemplo de outras grandes cidades do mundo, obras de grandes dimensões foram instaladas nas plataformas e corredores das estações, tornando a arte acessível a todos que transitam por ali. Vários artistas tiveram obras encomendadas para o espaço, inclusive Muñoz Vera.

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Outubro, 1492
Óleo sobre tela montada em painel - 200 x 183 - 2011

               
Esquerda: GUILLERMO MUÑOZ VERA - Tortura III - Lápis conté, sanguinea e pastel sobre Canson - 101 x 71 - 1988
Direita: GUILLERMO MUÑOZ VERA - El País - Lápis Conté, pastel e carvão sobre Canson - 77 x 59 - 1995

Muñoz Vera é um artista comprometido com sua terra e sua gente. Depois do terremoto, seguido de tsunami que abalou o Chile em 2010, mesmo morando na Espanha, ele se sentiu como que devastado como todos os seus conterrâneos. Não podia ficar de braços cruzados. Decidiu então retornar ao país naquele momento, parando todos os serviços com os quais estava comprometido na Espanha. Percorreu vários locais da tragédia e registrou muitas imagens, que se transformaram em diversos trabalhos posteriormente. Em maio de 2010, ele já possuía um conjunto de 30 obras, que foram expostas numa mostra benéfica em Madri, sendo toda a venda das obras encaminhada para ajudar na reconstrução do país.

GUILLERMO MUÑOZ VERA - A cidade dos Césares
Óleo sobre tela montada em painel - 70 x 100 - 2010

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Procissão do silêncio
Óleo sobre linho colado em madeira - 183 x 200 - 2009

GUILLERMO MUÑOZ VERA - Poblado Yanomami
Óleo sobre linho colado em madeira - 122 x 180 - 2011

Em 1989, ele criou a primeira oficina de arte multidisciplinar em Morata de Tajuña, a poucos quilômetros de Madrid. O centro incluiu oficinas de pintura, gravura e quadros lá e compartilhou seu trabalho com outros artistas espanhóis e estrangeiros. Ainda não satisfeito, em 1993 ele criou sua própria Academia de Arte de Madrid. Em 1994, ele criou o projeto Arauco, acrônimo de Arte Contemporânea e Autores, com Carmen Spinola. Uma estrutura de espaço cultural multidisciplinar de arte com oficinas alternativas, que abrange pintura, teatro, música e design gráfico. Neste projeto, Muñoz Vera assumiu o cargo de co-diretor e professor de desenho e pintura. Em 1996, a instituição foi transformada em Fundação de Arte e Autores contemporâneos. Muñoz Vera tem servido como vice-presidente da instituição e tem sido responsável por várias atividades sem fins lucrativos educacionais e culturais, incluindo oficinas educativas, competições de artes, bolsas de estudo, exposições e concertos.
Um artista que faz história e permite a outros fazerem parte dela.


O artista Guillermo Muñoz Vera trabalhando na obra Oceano Pacífico, uma obra com
dimensões finais de 3 m x 11,9 m, que se encontra em uma das estações do
metrô, em Santiago.

PARA SABER MAIS:



2 comentários:

  1. Artista grandioso... belíssimo!
    Abração meu amigo... felicidades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Palavra exata, Vidal. Grandioso!
      Um grande abraço!

      Excluir