domingo, 23 de janeiro de 2011

FREUD E A ARTE (José Rosário)

Muitos de nós, quase todos, já ouviram a expressão: “Freud explica!” E mesmo que muitos não saibam ou venham saber o significado correto de tal expressão, ela já se tornou um parâmetro de algum comportamento humano anormal, que só pareça ser explicado por ele: Freud.
Sigmund Freud nasceu a 6 de maio de 1856, em Freiburg, atual República Tcheca e faleceu a 23 de setembro de 1939, em Londres, Inglaterra.

Sigmund Freud, 1905.

Uma das mentes mais influentes do século XX, Freud não se destacou somente em meio ao público especializado, mas também por atingir, de uma maneira surpreendente, uma legião cada vez mais crescente de adeptos leigos. Evidente que essa sua promoção social descontrolada, tem caminhado perigosamente de mãos dadas com o vulgar. É que as áreas de abrangência de suas pesquisas foram tantas e tão variadas, que todos os grandes movimentos comportamentais do século XX, certamente tiveram sua influência. Um exemplo mais comum é a grande liberação sexual que ocorreu na segunda metade do século passado.

SALVADOR DALI - Primavera florindo
 Óleo sobre tela, 54 x 65 - Coleção particular

Desde complexas intervenções na Psiquiatria e Psicologia, passando por rigorosos controles filosóficos, o pensamento freudiano atingiu a todos de uma maneira contundente. Ele soube como ninguém, explicar os comportamentos humanos acerca de nós mesmos, o que antes eram praticamente incompreensíveis. Alguns termos como repressão sexual, mecanismo de defesa, desejo inconsciente, trauma de infância, complexo de Édipo e muitos outros, fazem parte de nossas vidas com tanta intimidade, e muitos de nós sequer damos conta que, antes de Freud, esses termos nem existiam. Não que ele tenha inventado tudo isso. Desde a Grécia antiga até meados do século XIX, muitos estudos já indicavam ou sugeriam tais comportamentos, mas, eram tão sem nexo e tão obscuros, que quando não eram confundidos, eram completamente ignorados. Mesmo em sua época e até mesmo nos dias de hoje, muitos estudos e teorias de Freud causaram e continuam a causar controvérsias.

SALVADOR DALI - Solidão critico-paranóica
Óleo sobre madeira, 19 x 23 - Coleção particular

Para o que mais nos interessa nessa matéria; a Arte; Freud é de uma importância muito grande. Haja visto que movimentos como o Surrealismo tem uma base bem plantada em cima de seus conceitos.
Muito mais que caminhar para um estilo preferido de arte, a concepção a respeito do tema é muito mais abrangente na obra de Freud do que se imagina. Para ele, a Arte, em todas as suas manifestações, é o único espaço provável onde possa se conciliar realidade e sonho.

SALVADOR DALI - Impressões da África
Óleo sobre tela, 91,5 x 117,5 - Museu Boijmans Van Beuningen, Roterdã

Como isso é possível?
Segundo Freud, dois princípios regem a psique humana: o princípio do prazer e o princípio da realidade.
Temos uma habilidade nata, segundo ele, de procurar obter prazer a qualquer custo e cada vez mais. Essa busca de prazer muitas vezes encontra severas resistências na realidade. É que a busca quase cega para obter prazer a qualquer custo, esbarra sempre no mundo exterior, que continuamente nos priva de maioria das satisfações. Para fugir dessa realidade perversa, que tanto parece nos limitar, o princípio do prazer é suplantado em nossa mente, pelo princípio da realidade, este faz nada mais que, adiar a satisfação pretendida, sem abrir mão dela por completo. Em outras palavras, poderíamos dizer que mediante a limitação imposta pela realidade, procuramos um prazer mais seguro para o momento.

SALVADOR DALI - Momento de transição
Óleo sobre tela, 54 x 64,5 - Fundação Langen, Alemanha

Há um constante conflito entre o indivíduo que deseja prazer e o mundo externo que sempre o tolhe, e conviver com esses conflitos não é tarefa fácil para muitas pessoas. Daí que, a partir do momento que os conflitos ficam mais intensos dentro do indivíduo e ele não consegue suportá-los, eles se transformam em neuroses. Embora por um lado, a maioria desses impulsos reprimidos seja de natureza sexual e venha a se transformar em neuroses, por outro eles encontram uma saída a nível psíquico, é a chamada compensação. Como está ligada diretamente à fantasia, é aqui, segundo Freud, o terreno mais propício para a realização da obra de Arte. Poderíamos dizer então, que o artista e sua obra fazem as pazes com a realidade e ainda recebem total apoio do público, em grande parte das vezes, prezo à realidade. É na Arte o único local onde seja possível a reconciliação do princípio do prazer e o princípio da realidade. O artista, visto então como um ser especial, inconformado permanentemente em sentir os impulsos podados na realidade, vai até a fantasia e traz dela novos adereços de realidade, que são assim aceitos pelo público com muita admiração e reverência. Nesse momento, o princípio do prazer se sente compensado, pois tudo o que era procurado nele como amor, honra, glória e poder, são encontrados agora, em plena realidade.

SALVADOR DALI - Mesa solar
Óleo sobre tela, 60 x 46 - Museu Boijmans Van Beuningen, Roterdã.

Todo indivíduo que tenha algum tipo de privação encontrará alívio para ela na fantasia. Só que como nem todos são artistas, esse refúgio acaba sendo limitado. Conseqüência mais drástica para tal situação é que o grande público acaba buscando compensações que não produzem nada de positivo. Um exemplo mais comum é o uso cada mais recorrente de drogas alucinógenas. Já o artista, de qualquer área, tem uma carta na manga, dando forma a seus devaneios na obra de arte, ele acaba se livrando de grande parte daqueles conflitos.
Como um transgressor invejado por todos, o artista ficou sendo visto como um louco necessário. Alguém da realidade com a senha privilegiada para habitar também o sonho. Como se cada artista consciente tivesse um pé no chão e outro nas nuvens. E quando os pés insistirem em estar em apenas um dos lugares, este já não é mais artista.

SALVADOR DALI - Assumpta corpuscularia lapislazulinea
Óleo sobre tela, 230 x 144 - Coleção particular

Abusando do princípio de que o sonho é a nossa realidade inconsciente e que nesse momento tudo é possível e permitido, o Surrealismo teve na obra de Freud, o esteio mais forte de sua existência. Salvador Dali e De Chirico, os nomes mais representativos dessa abordagem artística, exploraram  com freqüência cenas totalmente alucinógenas, como uma fotografia de sonhos. Artistas, que por si só, serão temas de outra matéria.

9 comentários:

  1. Ótimo texto José. Deveria ter dito algo do neto do Freud, o Lucian, que hoje, é um dos maiores pintores figurativos vivos. Gostei muito do post. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. muitissimo obrigado pelo comentário amigo.
    fico muito feliz e motivado com ele.
    sigo-te para estar sempre acompanhando seus espetaculares posts.
    parabens novamente.
    abração

    ResponderExcluir
  3. Muito bom texto. Simples e direto como as melhores coisas.

    ResponderExcluir
  4. O que posso dizer? Simplismente, Excelente!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por passar aqui, Marcia. Grande abraço!

      Excluir
  5. Olá José Rosário, você poderia me informar em que ano e edição esse texto foi publicado na revista "PSICANÁLISE - Grandes temas do conhecimento"?
    Muito obrigado!

    ResponderExcluir