domingo, 12 de junho de 2011

ALEXANDRE REIDER

ALEXANDRE REIDER - Luz na mata
Óleo sobre tela

Curiosamente não foi por publicações brasileiras que tive acesso aos primeiros trabalhos de Alexandre Reider. Vi suas primeiras obras em uma edição da revista americana American Artist, numa época na qual eu não navegava ainda com assiduidade pela internet, e só me atualizava com publicações de livros e revistas. À partir daí, comecei a procurar mais referências sobre ele. Elas não foram difíceis de conseguir. Naquela época, ele já possuía um site muito bem elaborado e vez ou outra, estava participando de publicações em revistas brasileiras mais populares. Eu as encontrava em bancas e, sempre que possível, alunas apareciam com algumas novidades dele para compartilharmos. Não poderia continuar a elaborar essas linhas, sem antes mencionar que desde os primeiros contatos, senti uma admiração e respeito muito grandes, por todos os trabalhos que me formaram o seu perfil.

ALEXANDRE REIDER - Tarde de sol
Óleo sobre tela - 60 x 80
Trabalho publicado na American Artist

ALEXANDRE REIDER - Caminho com bambus
Óleo sobre tela - 60 x 80

ALEXANDRE REIDER - Beira de lago
Óleo sobre tela

O trabalho de Alexandre Reider tem certas particularidades, que nos remetem imediatamente à sua maneira de fazer. Elas podem ser percebidas também nas obras de vários alunos seus, pois é uma influência positivamente muito marcante. Sou até tentado a dizer, que ficou estabelecido assim, o estilo Reider de pintura de paisagens.

ALEXANDRE REIDER - Parque  da luz 
Óleo sobre tela - 18 x 24

ALEXANDRE REIDER - Café da Pinacoteca
Óleo sobre tela - 18 x 24

ALEXANDRE REIDER - Parque da Luz
Óleo sobre tela - 20,3 x 25,4l

Alexandre Reider nasceu em São Paulo, no ano de 1973. A trajetória no mundo das artes começou bem cedo, quando tinha apenas 14 anos de idade. O processo como tudo aconteceu no início tem um pouco de casualidade, boas referências e principalmente um grande e irrestrito apoio dado pelo pai, desde o início. Vou dividir com vocês, alguns trechos das informações fornecidas pelo próprio Reider, e diga-se de passagem, muito bem escritas. Elas carregam uma certa nostalgia em todo o seu decorrer:
“Tenho três pilares que alicerçaram minha carreira: meu avô Jorge Reider, meu pai Jorge Reider Júnior e meu mestre Luiz Pinto."


ALEXANDRE REIDER - Beira de estrada
Óleo sobre tela - 20 x 30

ALEXANDRE REIDER - Caminho e lago
Óleo sobre tela

ALEXANDRE REIDER - Estrada das palmeiras
Óleo sobre tela - 70 x 90

"Meu avô nasceu na Áustria em 1912 e veio para o Brasil em 1927. Tornou-se pintor de igrejas e posteriormente migrou para a pintura de cavaletes. Segundo meu pai, foi um nome proeminente do mercado de artes brasileiro nas décadas de 40 e 50. Morreu jovem aos 49 anos. O fato de eu não tê-lo conhecido pessoalmente não impediu que tivéssemos uma proximidade... Cresci contemplando seus quadros e foi desta busca por exemplares em feiras de arte e antiquários que conheci meu futuro professor Luiz Pinto.”


ALEXANDRE REIDER - Crianças na praia
Óleo sobre tela - 30 x 40

ALEXANDRE REIDER - Esperando a pesca
Óleo sobre tela

ALEXANDRE REIDER - Ilha Bela, fim de tarde
Óleo sobre tela - 20 x 30

“Todos os Domingos íamos, meu pai e eu, á feira de artes e antiguidades do Shopping Iguatemi de São Paulo, sem dúvida a principal feira deste segmento na época (início dos anos 90). Fazíamos uma busca por obras de meu avô e quando o preço era possível, meu pai comprava. Hoje sou eu quem continua esta busca. Quando vi os trabalhos do Luiz num dos stands, falei para meu pai: quero pintar como ele! Um japonês ao lado respondeu dizendo que ele estava dando aulas (por coisas do destino, este japonês era o Roberto Mitsuuchi, quem muitos anos depois se tornaria meu Marchand).”


ALEXANDRE REIDER - Foz do Iguaçu
Óleo sobre tela - 80 x 100

“Fui aluno do Luiz dos 17 aos 19 anos, quando comecei a dar aulas e viver da pintura. Seus ensinamentos, seus causos e seu tipo cativante e simples foram para mim, exemplos de vida e de amor à arte. Hoje posso dizer que ele é um de meus melhores amigos, um moleque de 70 anos que não gosta de contar vantagens quando lhe perguntam se é mineiro.”


ALEXANDRE REIDER - Beira de rio com caminho
Óleo sobre tela

ALEXANDRE REIDER - Paisagem com bananeiras
Óleo sobre tela

ALEXANDRE REIDER - Paisagem pela manhã
Óleo sobre tela

“Meu pai é um capítulo a parte na minha história. Filho de pintor e pai de pintor teve suas expectativas e sonhos profissionais conquistados através de mim. Não seguiu carreira artística, mas sua visão e dedicação à vocação do filho foram fatores determinantes em minhas conquistas. Chegou até a fazer aulas com o Luiz junto comigo, para me incentivar e impedir que eu desistisse durante um tempo de fortes incertezas. Comprou como incentivo, minhas duas primeiras obras (num preço justo). Sempre esteve ao meu lado e sempre estará.”


ALEXANDRE REIDER - Estrada em Cunha
Óleo sobre tela - 80 x 100

ALEXANDRE REIDER - Caminhada no Jardim Botânico
Óleo sobre tela - 18 x 24

ALEXANDRE REIDER - Horto florestal
Óleo sobre tela - 60 x 80

“Comecei a vender na própria feira onde anos antes conheci as obras do Luiz. Foram anos de muita prática, pintava veloz e incessantemente, aproveitando um mercado fértil e comprador. Os anos 90 foram os melhores neste sentido e nesta época conheci grandes nomes da pintura paulistana, como Costa Junior, Monteiro Prestes, Maguetas, Gilberto Geraldo, Takaki... Foi nesta época que passei a conhecer as obras de alguns dos melhores mineiros, como João Bosco Campos, Rubens Vargas,  Wilson Vicente e Rui de Paula. Tais obras eram expostas na mesma feira. Durante os anos de convivência com o Luiz, conversávamos muito sobre sua amizade com o Edgar Walter. Copiei muitos quadros dele. Uma coisa que ninguém sabe é que chegamos a fabricar tintas, sendo sócios eu, meu pai(químico) e o Luiz. Tínhamos um moinho de cilindro e até uma máquina de entubar. Chegamos a fazer tinta de boa qualidade, mas o negócio não foi pra frente pois exigiria dedicação integral, algo que ninguém estava disposto.”


ALEXANDRE REIDER - Cena de curral
Óleo sobre tela

ALEXANDRE REIDER - Praia do Portinho
Óleo sobre tela - 27 x 35

ALEXANDRE REIDER - Vista de São Francisco Xavier
Óleo sobre tela - 70 x 100

As atividades das aulas sempre foram constantes em quase toda a carreira de Alexandre Reider. Muito mais que ensinar técnicas, seus alunos incorporaram uma nova linguagem ao atual cenário paisagístico brasileiro. Muitas histórias boas foram narradas pelo Reider, nas experiências que vem somando com essas aulas. Mas, uma em especial, merece destaque. Aos 23 anos, chegou a Paris com 25 alunas para o exercício de pesquisa em plein air. Não deve ser sido tarefa muito fácil, pois como ele próprio narrou, ninguém do grupo se comunicava em francês.


ALEXANDRE REIDER - Tiradentes
Óleo sobre tela - 20 x 30

ALEXANDRE REIDER - Tiradentes
Óleo sobre tela - 20 x 30

ALEXANDRE REIDER - Vila Natal
Óleo sobre tela - 35 x 52

Outro ponto interessante de nossos contatos, é a sua visão particular da arte, no atual cenário artístico nacional e mundial. Vivemos numa nova era, onde a comunicação se tornou peça chave de toda relação. É muito interessante ver como os pontos de vista podem ser muito parecidos aos nossos, mesmo vivendo em regiões tão diferentes.


ALEXANDRE REIDER - Descanso
Óleo sobre tela

ALEXANDRE REIDER - Criação no pasto
Óleo sobre tela - 24 x 35

ALEXANDRE REIDER - Paisagem com sapucaieira
Óleo sobre tela - 20 x 30 - 2005
Acervo José Rosário

“A internet foi um divisor de águas para mim, e acho que para muitos artistas. Ao mesmo tempo percebi que as relações, entre pintores e galerias, tiveram que ser reinventadas, não mais havendo espaço para exploração e lucro unilateral. Além de ser um meio democrático de divulgação do trabalho e de acesso por parte do público, a internet possibilita contato com pintores de todo o mundo.
Tirei muito proveito disso nos últimos anos e conheci nomes que tiveram influência em minha produção atual. Os mestres norte americanos atuais: Schmid, Lipking, Matt Smith, Scott Christensen, Jennifer McChristian, só para citar alguns. Tive a oportunidade de enviar trabalhos para um concurso da revista American Artist, tendo sido escolhido artista do mês do site desta prestigiada publicação.”


ALEXANDRE REIDER - Aceito Visa
Óleo sobre tela - 18 x 24

LEXANDRE REIDER - Florada do ipê roxo
Óleo sobre tela - 60 x 80

ALEXANDRE REIDER - Urubici 
Óleo sobre tela - 18 x 24

“O acesso a blogs de colegas brasileiros, vem aproximando gente que antes se admirava, mas não se conhecia. As possibilidades futuras são incalculáveis em termos de novas parcerias, encontros e projetos tocados pelos artistas, em parceria com galerias e marchands . Quem tiver escola, competência e humildade para aprender sempre, ainda colherá muitos frutos de um mercado de Fine Arts que vem ressurgindo no mundo todo e não será diferente com o Brasil.”


Pintando ao vivo

Mais do que uma escolha artística, o termo “en plein air”, ou seja, ao ar livre, compreende uma atitude e até mesmo uma filosofia, além de ser a melhor maneira de estudar os fundamentos da pintura de paisagem.
Apoiado na preocupação ecológica e de uma vida mais saudável, o movimento plein air está presente no cotidiano do Atelier A. Reider. Assumindo esta postura pioneira de incentivar a formação de grupos de pintura ao ar livre, o atelier oferece a possibilidade de integração a artistas e estudantes que se identificam com este pensamento.”
(Trecho extraído do blog do artista)


ALEXANDRE REIDER - Portão
Underpainting
(Etapa inicial)

ALEXANDRE REIDER - Portão

Apaixonado pela nossa natureza, Alexandre Reider viaja pelo Brasil afora para se inspirar, escolhendo os trechos que mais o encantam e os coloca em suas telas... Pinta no local, conseguindo assim uma espontaneidade que só se consegue quando o artista está entre a paisagem e a tela.
Ruth Sprung Tarasantchi
(Historiadora e autora de diversos livros
publicados sobre a pintura brasileira)


Algumas publicações com participação de Alexandre Reider

A carreira de Alexandre Reider soma mais uma grande colaboração no cenário artístico brasileiro. Pela linguagem contemporânea com que conduz o seu trabalho e, principalmente como essa linguagem, abraça cada vez mais um número maior de discípulos. Certamente teremos no futuro, gratas referências para narrar a arte de nossa época.


PARA SABER MAIS:


21 comentários:

  1. de qualidade inquestionável e ao mesmo tempo de uma simplicidade tocante, parece que prá ele é tão fácil pintar!... quem com tanta dificuldade constrói sua obra tem nele um modelo de que o mais simples às vezes é preferível ao complicado e difícil. este comentário é meio fora do padrão, mas não vou apagá-lo, vai ficar aqui mesmo! paulo de carvalho

    ResponderExcluir
  2. Olá Paulo, mais uma vez, obrigado pela visita e pelos comentários de sempre. Faccinhetti será a próxima, já está no forno!

    ResponderExcluir
  3. EStou, como sempre , ao lado de Paulo de Carvalho na espera do Facchinetti !!!!
    Cristina Lima

    ResponderExcluir
  4. Aguarde só mais um pouco, Cristina. Obrigado pela visita e grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Tathyanna Odebrecht13 de junho de 2011 14:14

    Tive o prazer de estar junto ao grupo que acompanhou o Alexandre Reider em seu último workshop "en plein air" em Cunha. Foi ótimo! E não só falando dos excelentes ensinamentos que recebemos, mas de todo o carinho com que o encontro foi organizado e do clima descontraido e amigável que marcou-o. Foi maravilhoso... Espero poder acompanhá-lo mais vezes!!

    ResponderExcluir
  6. Pois é Tathyanna, não é todo mundo que tem essa honra. Aproveite ao máximo os ensinamentos que estas viagens proporcionam. Ainda acompanharei em uma delas. Abraço e obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  7. Quando entrei pela primeira vez num atelier de pintura, isso lá em Maceió no ano de 1999, me deparei com algumas gravuras de obras do mestre Alexandre,e me apaixonei imediatamente pelo trabalho. Essas e outras gravuras eram todas picotadas para que o aluno não copiasse a tela, mas sim, fisesse composições. Não quis saber, procurava insessantemente todos os pedaços dessas gravuras para copiar.
    Pronto, a partir daí o Alexandre havia se tornado um ídolo, e fazer aulas com ele era um dos meus maiores sonhos. E quando estive em seu atelier para ter aulas em 2009, foi para mim um dos momentos mais importantes na minha vida artítica. Não conseguia conter meu nervosismo e emoção, isso pode até parecer piegas, mas é verdade.
    Devo praticamente toda minha evolução a esse brilhante mestre e humilde ser humano.
    Obrigado Alexandre!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá Ernandes, como a vida dá voltas! Curiosamente, a tela que tenho do Alexandre, foi feita num plein air quando você estava presente. Conheci pelas fotos de arquivo de seu blog. Obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  9. e ai jose tudo bem com vc,é cara falar de alexandre é facil e resume em uma unica palavra, simplicidade, tive o prazer de fazer algums trabalhos com ele em 2005 em seu atelier foi muito bom.marcio andrade. FORTALEZA, ce

    ResponderExcluir
  10. Olá Márcio, ainda não conheço o Reider pessoalmente. Trocamos bastante e-mails até a edição da matéria. Além de ótimo artista é uma pessoa extraordinária. Minha admiração por ele solidificou ainda mais!

    ResponderExcluir
  11. gostaria muito quer vc podece ver meu blog, atelier marcio andrade sera um praser ter vc como amigo, seu tema è minha vida no sertao do CEARÁ, tenho algums amigos em joao molevade , figa perto de vc ?? abraço.

    ResponderExcluir
  12. Olá Márcio, estive no seu blog. Senti apenas não poder ver as imagens ampliadas. Será que está assim mesmo a sua configuração?
    Depois me retorne. Abraço.
    Ah, João Monlevade é terra do José Ricardo, que também pinta numa linha parecida com a minha. Fica uns 60 km de onde moro.

    ResponderExcluir
  13. José vc conhece a cidade de Cataguases MG onde nasceu wilson Vicente? Sou de la.
    passa no meu blog se der, telasreginaldoborges.blogspot.com
    abraçao!!!!

    ResponderExcluir
  14. Olá Reginaldo, não conheço Cataguases, infelizmente. Um dia pareço por lá.
    Passarei pelo seu blog. Abraço!

    ResponderExcluir
  15. adorei sua pagina...de uma olhada na minha pagina do orkut se puder ,gostaria de ter vc gomo amigo.bjs.areli camara,artista plastica.

    ResponderExcluir
  16. Olá Areli, obrigado pela visita. Darei um pulo lá em sua página, sim!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  17. sou apaixonada por esta arte encantadora as maos de reider no templo de manauus...grata sou ao pai celestial por ter deixado vir a terra alguem tao especial obrigada reider e parabens

    ResponderExcluir
  18. Uma das maiores bênçãos que um artista que pinta paisagens pode ter é a de ter nascido no Brasil, que apesar de pouco investir na cultura, tem uma paisagem sem par no mundo. Toda a variedade da sua flora e miríades de tipos de paisagens são um presente de Deus para nós.
    A arte do Alexandre Reider representa muito bem esse estado de alma que nos impõe tamanha beleza natural.
    Parabéns ao artista por sua obra belíssima e a você pela postagem.

    Abraço grande desde aqui.
    S. Quimas
    Artista plástico, designer e escritor
    http://facebook.com/SQuimas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ainda há quem mora por aqui e reclama... Vivemos num paraíso, S. Quimas.
      Obrigado por mais uma visita, amigo!

      Excluir
  19. José Rosario ,fiquei muito feliz em ter te encontrado na net.Vc tem aqui todos os pi ntores que mais aprecio.São fantásticos,são os melhores.Tambem pinto e tenho um atelier onde ensino essa maravilha que é pintar...adoro!Pinto desde 92 e é sempre um grande milagre ,numa tela em branco,fazer nascer "janelas de cor e luz".Moro em Petrópolis,RJ,cidade serrana,linda para capturar verdes ,hortencias,cascatas...se não conhece ,venha que vai adorar.Terei prazer em recebe-lo em meu atelier.Mande sempre notícias...( Tenho uma aluna que está fazendo uma série de quadros pequeninos ,reproduções de Luis Pinto,maravilhosos)Ter perdido um mestre como ele foi muito ruim.Adorei te conhecer...mande coisa bonitas ...te adicionei no face.Beijos,Lourdes Simões

    ResponderExcluir
  20. Olá Lourdes, é um prazer imenso conhecê-la por aqui. Estou precisando realmente conhecer Petrópolis, não a conheço ainda.
    Seja sempre bem vinda por aqui e no Facebook também!

    ResponderExcluir